Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Por que QuantumScape abriu capital e receberá US$ 680 milhões para produzir baterias de estado sólido?

Tecnologia promete mudar indústria de veículos elétricos ao aumentar densidade energética, diminuir tempo de carga e reduzir custos

Por |
Bateria de lítio em estado sólido promete evoluir eletrificação dos veículos proporcionando vantagens como maior densidade energética, menor tempo de recarga, e menores custos – Imagem: QuantumScape

Células de baterias de lítio em estado sólido despontam como próximo salto evolutivo dos veículos elétricos. Comparada à tecnologia de íons de lítio convencional, proporcionam recargas mais rápidas, maior autonomia e vida útil mais longa. Dadas as previsões de crescimento em vendas dos veículos elétricos nos próximos anos, uma vez consolidada a tecnologia, a demanda provavelmente crescerá exponencialmente.

A conjectura descrita justifica a abertura de capital realizada pela QuantumScape. Há uma década a startup californiana desenvolve a tecnologia de células de baterias de lítio em estado sólido para aplicação em veículos elétricos. No final de novembro deste ano, concluiu a fusão com a SPAC Kensington Capital Acquisition. E desde então está listada na Bolsa de Nova York sob o símbolo QS.

A transação injeta aproximadamente US$ 680 milhões na QuantumScape. Segundo a startup, montante suficiente para desenvolvimento e início da produção comercial no segundo semestre de 2024.

“Hoje foi dado passo importante na evolução de nossa empresa. A operação permitirá a QuantumScape custear o desenvolvimento e a comercialização de nossas tecnologias validadas pelos fabricantes, e nosso objetivo é ser peça importante na eletrificação dos veículos e no estímulo a um futuro mais limpo para todos nós”, comentou Jagdeep Singh, fundador e CEO da QuantumScape.

Diferenças e benefícios do lítio sólido?

A tecnologia de lítio em estado sólido muda radicalmente a estrutura das células de baterias comparada às convencionais de íons de lítio. Estas, utilizadas atualmente nos carros elétricos, dividem-se basicamente em três partes: cátodo, ânodo e um separador destas partes feito de polímero. E são preenchidas por um líquido responsável fluxo dos átomos de lítio de um eletrodo (lado) para o outro.

Com a tecnologia de lítio em estado sólido da QuantumScape, essencialmente, há apenas duas partes: o cátodo e um separador de material cerâmico em vez de polímero. O ânodo consiste apenas num conector. Porém, quando a célula está carregada, o lítio concentra-se em estado sólido no lado do separador oposto ao cátodo, formando assim o ânodo.

Tais características resultam numa maior densidade energética, cargas mais rápidas, menores custos de produção, maior durabilidade e mais segurança (não há líquido e oxidação do separador).

Tamanha transformação explica os anos em desenvolvimento. E o interesse das fabricantes de veículos na tecnologia. A maior participação societária na QuantumScape é da Volkswagen. Desde 2012 a montadora é parceira da startup e aportou aproximadamente US$ 200 milhões. Na visão do grupo alemão, células de baterias de lítio em estado sólido são a tecnologia mais promissora para a próxima geração da mobilidade elétrica.

Visão Zev.News

Segundo a Agência Internacional de Energia (IEA), em 2019 apenas 2% da frota mundial de veículos era composta por elétricos e híbridos. Este ano os números demonstram crescimento significativo deste percentual. Indicando consolidação na transição dos combustíveis fósseis para eletricidade nos transportes.

Os indicadores também apontam aceleração no aumento de elétricos na proporção total. Ações governamentais para cessar vendas de veículos a combustão, redução dos preços, aumento nas opções de modelos e atenção da população às questões climáticas e à saúde pública fortalecem tal perspectiva.

Ao analisar os consumidores, mais especificamente, os motivos de resistência à transição, as baterias surgem como principal fricção. Embora diminuindo, ainda há receio de falta de energia ao longo de um deslocamento (range anxiety), percepção de demora para recarrega, custos em caso de troca e até medo de explosões do conjunto de baterias. Aspectos que levaram startups como NIO a criarem sistemas de locação de baterias. As chamadas baterias como serviço. (BaaS).

Com o advento das células de baterias de lítio em estado sólido, a resistência à aquisição de carros elétricos pode cair consideravelmente. E ainda abrir novas possibilidades para negócios e inovações além da autonomia.

As células de baterias são apenas uma das partes do conjunto de baterias. O projeto da arquitetura do conjunto, além de capacidade para abrigar as células, considera aspectos como rigidez estrutural e eficiência na troca de calor entre os componentes. Assim, com a maior densidade energética, abrem-se possibilidades para, por exemplo, fortalecer a rigidez estrutural dos veículos por meio do conjunto de baterias. Ou aumentar o rendimento das células melhorando a refrigeração pelas formas da estrutura do conjunto. Casos aplicáveis em veículos esportivos e urbanos de baixo custo.

TÓPICOS RELACIONADOS

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS