Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Ducati substituirá Energica como fornecedora das motos para a MotoE a partir de 2023

Acordo de fornecimento exclusivo para a categoria elétrica do Mundial de Motovelocidade funcionará como laboratório para futuros modelos de rua

Por |
Atualmente as motos da MotoE pesam aproximadamente 260 kg, e redução de peso será uma das prioridades para obtenção de performance pela Ducati – Imagem: Divulgação Ducati

A Ducati será a fornecedora exclusiva das motos para a MotoE a partir de 2023. Desde 2019 a categoria de motos elétricas integra algumas das etapas do Mundial de Motovelocidade. E a marca italiana substituirá a compatriota Energica no fornecimento exclusivo das motos.

O contrato entre Ducati e Dorna, organizadora do Mundial de Motovelocidade, terá duração de quatro temporadas: 2023 a 2026. E significa para a tradicional fabricante italiana de motos esportivas a entrada definitiva no universo eletrificado.

Aliado a todos os benefícios de comunicação e imagem, a estratégia da Ducati na Moto E é declarada: utilizar a categoria como laboratório para o desenvolvimento de tecnologias posteriormente transpostas para os modelos de rua. Prática da marca, executada em modelos a combustão como 851, 748 e Panigale.

“O acordo vem no momento certo para Ducati, que vem estudando há anos a situação dos trens de força elétricos, porque nos permitirá experimentações num campo bem conhecido e controlado que são as corridas”, explicou Claudio Domenicali, CEO da Ducati.

Domenicali destacou aspecto chave no desenvolvimento da futura MotoE: redução de peso. “Vamos trabalhar para fornecer a todos os participantes da MotoE motos elétricas de alta performance, e caracterizadas pela leveza. É precisamente a leveza, um aspecto fundamental das motos esportivas, que será o grande desafio. Leveza sempre esteve no DNA da Ducati, e graças à rápida evolução da tecnologia e das químicas das baterias, estamos convencidos que obteremos excelentes resultados”, detalhou o CEO da Ducati.

E um aliado confere força à empreitada da Ducati nas motos elétricas: Volkswagen. A montadora de carros alemã é proprietária da fábrica de motos, e tem no desenvolvimento de tecnologias eletrificadas pilar para o futuro como negócio.

Sem menções a datas, Ducati revelou que assim que tecnologicamente viável, há objetivo de produzir uma Ducati elétrica esportiva de série, leve e capaz de satisfazer os entusiastas. E por tecnologicamente viável, entenda-se sobretudo peso, tamanho e autonomia fornecida pelo conjunto de baterias.

TÓPICOS RELACIONADOS

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS