Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Campeã no FIM Trial-E Cup, Electric Motion mira vitórias no FIM E-Xplorer

Empresa francesa produz há mais de uma década motos elétricas vocacionadas ao trial

Por |
Desde a fundação, Electric Motion vendeu e entregou 4 mil motos, experiência que confere confiança à empresa para resultados positivos nas competições – Foto: Divulgação Electric Motion

Responda: há mais ou menos uma década, qual seria sua ideia de moto elétrica? Caso seja uma pequena scooter, a resposta é compreensível. Afinal, em tese, a simplicidade do veículo facilitaria o desenvolvimento, numa época de tecnologias ainda incipientes.

Surpreendentemente há mais de uma década tinha início empreitada mirando segmento distinto: motos elétricas para trial. Em 2009, sob comando de Phillipe Aresten, nascia no Sul da França a Electric Motion.

Aos poucos familiares ao trial, cabe contexto: é uma das modalidades tecnicamente mais desafiadoras do motociclismo. Em suma, os pilotos precisam vencer seções de obstáculos aparentemente intransponíveis sem apoiar os pés, ou o fazendo minimamente.

Os trechos são curtos, assim, a fim de priorizar a necessária leveza, as motos possuem tanques de combustível diminutos – aproximadamente 2.5 litros. E têm configuração ciclística aliviada, colocando os modelos na faixa dos 70 kg. Para suplantar obstáculos, dispõem de torque proporcionalmente elevado.

Motor elétrico ideal para o trial

Tais parâmetros sinalizavam a viabilidade de uma moto elétrica para trial. Afinal, os deslocamentos curtos permitiam conjuntos de baterias pequenos, mantendo assim o baixo peso da moto. Que combinados ao torque elevado, entregue linearmente, resultariam numa moto potencialmente ideal.

Mas atribuir a criação da Electric Motion meramente aos parâmetros seria superficial. A figura de Phillipe Aresten foi, e é, essencial para além de equacionar os parâmetros, catalisar e conferir visão à empresa.

Aresten é versado no meio do trial. Ocupou durante longo período posto destacado na Scorpa, fabricante de motos especializada no trial. Lá coordenou a parceria entre a empresa e Yamaha, para utilização dos motores japoneses nas motos francesas. E liderou o lançamento da linha Scorpa TY, versão urbana do modelo trial.

Silêncio como oportunidade de negócio

Aliado ao conhecimento do mercado, viabilidade técnica e entusiamo pelos motores elétricos de Aresten, havia vislumbre de oportunidade de negócios: a crescente restrição dos motores a combustão nas pistas e trilhas da Europa.

Se as cidades começam a limitar veículos a combustão em regiões centrais, já há alguns anos diminuem as pistas e áreas para pilotar motos fora de estrada no Velho Mundo. Mais do que as emissões, o barulho é o grande vilão. Ou seja, tremenda oportunidade para as motos elétricas.

Simultaneamente a oportunidade impõe desafios. Os consumidores de motos para trial – e fora de estrada em geral – são emocionalmente afeitos as suas características – barulho, câmbio. E embora a motorização elétrica possibilite pilotagem em locais proibidos à combustão, conquistar este público implica dissolver hábitos e sensações enraizadas há décadas.

O apelo à lógica em parte funciona. Sobressaem vantagens como torque elevado dos motores elétricos, ampla faixa disponível, e entrega gradual. Ainda há o menor custo de manutenção. Porém, no embate entre razão e emoção, um aspecto é decisivo: performance em campo.

E a melhor forma para atestar performance são as competições. Por isso Electric Motion entrou no FIM Trial-E Cup, mundialito com três etapas para motos de trial elétricas. Ano passado, além de conquistar o título com Gael Chatagno, Electric Motion foi maioria absoluta entre os modelos na competição.

O próximo desafio competitivo da Electric Motion será o FIM E-Xplorer, programado para estrear em setembro, em Paris. O campeonato para motos elétricas combinará percursos com obstáculos fora de estrada e obstáculos urbanos. Além de laboratório, EM enxerga a competição como oportunidade para demonstrar as capacidades dos modelos desenvolvidas ao longo de uma década.

Electric Motoion Epure
Potência 11 kW
Torque 600 Nm (roda traseira)
Autonomia 43 Km
Velocidade Máxima 70 km/h
Peso 73kg
Electric Motoion Escape
Potência 11 kW
Torque 600 Nm (roda traseira)
Autonomia 61 Km
Velocidade Máxima 75 km/h
Peso 83kg

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS