Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Electric Revolutionaries exibe as motos elétricas mais inovadoras já construídas

Exposição realizada em Los Angeles reúne modelos redefinidores do conceito motocicleta

Por |
A exclusiva Curtis “The One” é umas das motos mais ousadas já construídas do ponto de vista estético e ciclístico – Fotos: Motorcycles Art Foundation

Certas motocicletas excedem a função transporte. Tornam-se plataformas para mentes criativas ousarem, arriscarem e materializarem novos conceitos por meio de mecanismos, linhas e formas. Com o advento da propulsão elétrica essas mentes ganharam liberdade para revolucionar as bases do que se entende como motocicleta.

Exibir tais motos é o espírito do Electric Revolutionaries, exposição aberta em 14 de abril, no Petersen Automotive Museum, em Los Angeles, Califórnia. A galeria é reduto tradicional para exposições de veículos emblemáticos.

A primeira edição do Electric Revolutionaries ocorreu em 2019, sob curadoria de Paul D Orléans. Artista, designer e aficionado por motocicletas, D Orléans segue como curador no Electric Revolutionaries 2022, e definiu a Zev.News o Electric Revolutionaries como uma “celebração às mentes inovadoras, que arriscaram suas carreiras no ainda incerto campo das motocicletas elétricas”.

D Orléans aprofunda a explicação sobre o Electric Revolutionaries de modo entusiástico: “Sou fascinado pela explosão de interesse pelas motos elétricas”. E complementa argumentando que a indústria motociclística é lenta em abraçar a propulsão elétrica por (ainda) não visualizar lucro em razão do enorme investimento. E contrapõe a resistência de fabricantes tradicionais à inovação dos modelos exibidos no Electric Revolutionaries:

“Os designers estão bastante empolgados em trabalhar com novos parâmetros: sem tanque, caixa de ar, motor (a combustão) ou sistema de escape. Repentinamente, o design de motocicletas tornou-se livre, e tudo tornou-se possível em termos de linhas e formas”.

Embora as principais fabricantes de motocicletas ainda não tenham embarcado definitivamente na propulsão elétrica, existe uma miríade de modelos, sobretudo pequenos, no mercado. O que traz a pergunta: quais os critérios de D Orléans para a seleção?

“Existem centenas de bicicletas e motos elétricas, mas poucas com design distinto. Estava interessado nos designers que são os melhores no que fazem, e destacados em suas categorias. Cada veículo no Electric Revolutionaries é o melhor em sua categoria, mesmo que a categoria ainda não esteja bem definida nesta nova indústria”, explica Paul D Orléans.

Confira a lista dos modelos e o por quê de suas escolhas:

Harley-Davidson LiveWire

Harley-Davidson é a única grande fabricante a entrar no segmento das motos elétricas com uma moto elétrica de grande porte, e a seleção celebra esta bravura na liderança do novo espaço.

Pact e Rontu, de Walt Sieg

Pact é baseada na Alta Redshift, é uma obra de arte afiada de produção limitada. Já Rontu é um micro-dragster construído para o museu Haas Motorcycle e Design Museum.

Sondors Motorcycles, por Storm Sondors

Madmods e Metacycle são motos elétricas de custo acessível e design atraente. Sondors coloca veículos elétricos de duas rodas nas mãos de “não-pilotos”, com belo design, facilidade de pilotagem e baixo custo de aquisição.

J.Ruiter Design, de Joey Ruiter

Moto Undone, Nomoto, e Another Sedan, concebidos pelo desenhista industrial Joey Ruiter, rompem as barreiras do “o que é uma moto?”

Curtiss Motorcycles, de T Nesbitt

A Curtiss “The One” é um moto de edição limitada, feita à mão, como uma joia de design e características radicais.

Damon Hyperfighter, de Derek Dorresteyn

Antes de ocupar a posição de CTO na Damon Motorcycles, Dorresteyn ocupou o mesmo posto na Alta Motors. A expertise desenvolvida na Alta Motors contribuiu no desenvolvimento da Damon Hyperfighter, moto elétrica de 200 cavalos de potência, velocidade máxima de 200 milhas por hora e autonomia de 200 milhas (321 km).

Alta Redshift flat-tracker, de Dale Lineaweaver

Criada pela (extinta) startup Alta Motors, a Redshift foi usada por Josh Hill no Red Bull Straight Rythm, é a primeira moto cross elétrica a vencer um modelo a combustão. Provou que os motores elétricos são superiores à combustão interna, mesmo quando a potência é idêntica.

KillaCycle e KillaJoule, de Eva Häkkansson e Bill Dubé

As versões dragster e veículo de velocidade em terra tornam Eva a mulher mais rápida do planeta com um veículo elétrico: 400 km/h

Scooter e Riquixá solares, de Samuel Aboagye

O estudante de 17 anos, de Acra, Gana, construiu estas máquinas a partir de sucata e materiais encontrados no lixo. E espera proporcionar transporte de baixo custo para a África.

Untitled Motorcycles, de Hugo Eccles

Baseada na Zero SR/F, a XP Zero é uma vencedora múltipla no quesito design, por conta das linhas suaves e futuristas.

Fuseproject, de Yves Béhar

A Mission One da Mission Motors é a primeira moto esportiva elétrica, desenhada em 2008.

Cake: Kalk AP*, Ösa e Makka de Stefan Ytterborn

Ytterborn (CEO e fundador da Cake) ultrapassa os limites rumo à sustentabilidade e à proteção à vida selvagem com excelente design e performance.

AP significa anti-poaching, ou combate à caça legal. A versão é utilizada por patrulheiros na África para impedir a caça de animais selvagens.

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS