Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Josh Mosiman vence abertura do Cake Worlds, nova vertente do motocross com motos elétricas

Primeiro evento da temporada ocorreu em Del Mar, Califórnia, marcado por disputas entre pilotos de motocross e downhill

Por |
Na ordem, os três primeiros da categoria profissional do Cake Worlds em Del Mar: Josh Mosiman (motocross), Mike Giese (downhill) e Seth Stephens (downhill) – Foto: Divulgação Cake

O californiano Josh Mosiman venceu a abertura do Cake Worlds 2022, nova vertente do motocross disputada com as motos elétricas Cake Kalk. As baterias decisivas ocorreram domingo, 1 de maio, em Del Mar, Califórnia. Os americanos Mike Giese e Seth Stevens terminaram respectivamente na segunda e terceira posições. Na categoria amadores, a vitória ficou com Dylan Gazek, também dos EUA.

Cake Kalk funde motocross e downhill

Fundada em 2016 a sueca Cake tem as raízes nas duas rodas fora de estrada. Antes de criar a startup de motos elétricas, o CEO Stefan Ytterborn comandou a empresa de equipamentos para mountain bike e esportes de neve POC (Piece of Cake).

Ytterborn visualizou um novo produto: uma moto elétrica, silenciosa, leve, mesclando a ciclística das bicicletas para downhill às motos cross. E capaz de resolver crescente impeditivo à prática do motocross, sobretudo na Europa: a redução de pistas disponíveis, fechadas na última década principalmente pela poluição sonora das motos.

A visão de Ytterborn se materializou na Kalk. O design minimalista, arquitetura do quadro e componentes específicos colocaram a moto numa classe à parte comparada a modelos de proposta semelhante. E resultaram numa moto fácil de pilotar, com rápida aceleração e ágil nas mudanças de direção.

Nova vertente do motocross

A fim de aproveitar as particularidades da Kalk e criar novos espaços para pilotagem motocross, a Cake desenvolveu o One Design. Conjunto de diretrizes para pistas rapidamente construídas em áreas reduzidas (70 x 70 metros), com os percursos explorando o comportamento da Kalk por meio de saltos, curvas e seções ritmadas.

Kalk e One Design atraíram atenção de pilotos de motocross e downhill. E esta intersecção aumentou o potencial para o conceito tornar-se uma nova vertente do motocross. E até um campeonato internacional.

O One Design se colocou à prova no Elektra Future, realizado em Saint-Tropez (França) em 2020 e 2021. Seguido pelo primeiro campeonato organizado pela própria Cake, ano passado na Suécia.

A Kalk oferece receptividade ciclística. Isto é, impõe poucas barreiras para os pilotos transporem rapidamente suas habilidades – seja downhill, motocross ou outra modalidade – à pilotagem da moto. Boa parte dos competidores tiveram o primeiro contato com Kalk na ocasião das corridas.

Esportivamente um dos apelos do One Design é colocar em patamar equiparável dois dos perfis mais técnicos da pilotagem fora de estrada sobre duas rodas: motocross e downhill. E disputado numa dinâmica (Four Cross – 4 pilotos na pista simultaneamente), o formato tende a concentrar as brigas pela ponta num bloco único.

Ao disseminar o conceito One Design o Cake Worlds cria uma vertente adicional para o motocross, uma nova categoria capaz de criar praticantes. Que além de vida própria pode funcionar até como ponte para o motocross tradicional. Especialmente ao considerar as perspectivas de eletrificação diante de iniciativas como a Stark Varg.

A próxima parada do Cake Worlds está programada para o Vale Thorens, França, em 16 e 17 julho. Em 19 e 20 de agosto o circuito chega à Gotland, Suécia. E os primeiros colocados das três etapas têm vaga para correr a final da temporada, em 2 de setembro, na pista de Pala, Califórnia.

TÓPICOS RELACIONADOS

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS