Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

EMX lança modelo cross XF30, mas pode chamar de YZ elétrica

Moto cross elétrica desenvolvida pela holandesa EMX custará €18.750 com previsão de entregas das 100 primeiras unidades no início de 2023

Por |
O tempo de pilotagem varia conforme a tocada, porém EMX informa a média de 30 minutos, e recarga total em 1h50 minutos usando o carregador de 3kW fornecido com a XF30 – Foto: Divulgação EMX

Nos últimos dois anos um projeto de moto cross elétrica entrou no radar da indústria: EMX Powertrain. A proposta da empresa holandesa é eletrificar a Yamaha YZ 250F. O apoio do braço europeu da fábrica japonesa combinado à maturidade ciclística do modelo base conferiram sustância à empreitada. Agora oficialmente lançada: as primeiras 100 unidades do modelo batizado XF30 estão previstas para entrega no primeiro trimestre de 2023. Preço: €18.750.

A cifra parece salgada ante os €11.900 previstos para a Stark Varg, a “referência teórica” da categoria. E grandezas como potência e capacidade da bateria colocam a XF30 abaixo da rival: são 30 kW de potência (40 cavalos) e o conjunto de baterias tem capacidade de 4.5 kWh. A Varg promete entregar aproximadamente 80 cavalos, e um conjunto de baterias de 6 kWh.

Em termos de potência e armazenamento do conjunto de baterias a EMX XF30 está atrás até daquela que criou e provou factível o conceito de moto cross elétrica: a Alta Motors Redshift, lançada em 2018. O modelo da extinta startup californiana entrega 50 cavalos, energizados por um conjunto de baterias de 5.8 kWh.

Mas números são apenas sinalizadores de performance. Sobretudo quando a atual referência ainda é teórica – Stark sequer entregou as primeiras unidades da Varg. E velocidade nas pistas resulta da sintonia entre ciclística e entrega de torque e potência. A aposta da EMX é conciliar a solidez ciclística da linha YZ ao desenvolvimento do próprio conjunto motriz elétrico.

O foco no conjunto motriz elétrico associa-se também à estratégia como negócio. Acelera o lançamento de novos modelo. E a EMX já comunicou planos para uma moto de rua em 2024.

Os interessados na XF30 já podem realizar a pré-reserva no site da empresa mediante depósito de €950.

Visão Zev.News: Stark a referência teórica

YZ 250F e XF30 possuem potências equivalentes – 40 cavalos –, entregues com mais linearidade na versão elétrica. Comparações de torque ainda são inviáveis. O motor da YZ 250F gera aproximadamente 28 Nm, enquanto a EMX informa apenas os 720 Nm de torque na roda traseira – amplificado pela ausência da caixa de marchas.

A comparação com a irmã a combustão não reflete a disputa prevista para o futuro mercado de motos cross. Stark Varg é "teoricamente" a referência. E a abordagem mais segura da XF30 ao adotar a YZ como plataforma num segmento movido por inovação pode restringir o interesse dos consumidores.

Uma das maiores forças de projetos ciclísticos criados do zero para a propulsão elétrica é abandonar legados e convenções dos modelos a combustão. Para conferir liberdade a engenheiros e designers para explorarem novas soluções estruturais e distribuições de massas.

A Stark, por exemplo, o faz ao utilizar o motor elétrico como parte estrutural. O que resulta numa arquitetura de chassi estruturalmente distinta dos parâmetros cross atuais: utiliza menos metal, assim, o chassi torna-se mais leve, porém, sem enfraquecer a rigidez do conjunto.

Outro desafio para XF30 como produto imposto pela eletrificação é a dissolução da segmentação das motos cross por capacidade cúbica. Por meio da seleção de “mapas” é possível tornar o comportamento da Stark semelhante ao uma 250. Portanto, eventualmente posicionar a XF30 como uma 250 elétrica perde sustentação quando a concorrente morfa-se numa configuração equiparável com apenas um toque. E por €6.850 a menos.

Ao longo deste texto a expressão “teórica” repetiu-se algumas vezes ao referir-se à Stark. Motivo: embora técnica e visualmente impressionante, e dos inúmeros elogios feitos por pilotos gabaritados, Stark ainda não entregou as primeiras Varg. Nem disputou corridas com os protótipos. E sobretudo em corridas, na prática, a teoria é outra.

Neste aspecto a XF30 já tem estreia confirmada: o FIM E-Xplorer, em outubro, na França. Campeonato ainda sem participação da Stark.

TÓPICOS RELACIONADOS

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS