Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Entenda como a Alta Motors mudou para sempre o motocross

Startup californiana provou as motos cross elétricas como viáveis e competitivas frente aos modelos a combustão

Por |
Entre os aficionados pela Alta Motors está Josh Hill, que ainda hoje acelera uma Redshift – Foto: Divulgação Alta Motors

Um momento sintetiza o impacto transformador da Alta Motors na indústria motociclística: no início da década de 2010, Kevin Windham e Mike Larocco pilotavam duas motos numa pista da Califórnia. Windham, o protótipo da futura Redshift. Larocco, acompanhando Windham, uma Honda CRF 450.

Não se tratava da apresentação da Redshift à imprensa ou algo do parecido. O motivo era outro, inédito: a convite de um investidor os dois ícones do AMA Motocross avaliariam se a moto cross elétrica em desenvolvimento pela startup baseada em Brisbane – cidade no Vale do Silício próxima a São Francisco – valeria o risco de um aporte milionário.

O aporte não veio. Windham caiu após o motor elétrico supostamente desmagnetizar. Aparentemente, até aquele momento, o conjunto motriz da futura Redshift estava protegido do ritmo intenso imposto por um (verdadeiro) ponteiro do motocross. Especula-se que a queda (Windham voou por cima do guidão) até contribuiu um pouco para a decisão de Windham aposentar-se em 2013.

O cruzamento entre a cultura tecnológica do Vale do Silício e o motocross explica parte da mítica ao redor da Alta Motors. E mesmo sem o capital avalizado pelos pilotos, a startup fundada em 2010 seguiu em frente, até encerrar as operações em outubro de 2018. Não sem antes causar ponto de inflexão na indústria: as motos cross elétricas eram tecnicamente viáveis. Capazes de rivalizar, e até de superar modelos a combustão.

Se hoje a Stark impressiona o meio motociclístico com a Varg, e se empreendedores como Marko Ukota sonham com o próximo grande lançamento da indústria, em boa medida, isso deve-se à Alta Motors. Cujas Redshift ainda são pilotadas mundo afora.

Pouco antes da startup encerar as operações, entrevistei um dos fundadores, Marc Fenigstein. Bom ponto de partida para conhecer a história da empresa, que será contada em detalhes numa série de artigos a serem publicados em Zev.News.

A Alta Motors é capítulo essencial para conhecer as origens e rumos da indústria motociclística eletrificada no fora de estrada.

TÓPICOS RELACIONADOS

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS