Utilizamos cookies e tecnlogias semelhantes a fim de melhorar sua experiência no site. Ao continuar você concorda e aceita nossa  Política de Privacidade  

ANÁLISES & NOTÍCIAS SOBRE VEÍCULOS COM EMISSÃO ZERO

HOME CARROS MOTOS BIKES TECH MERCADO RACING STARTUPS CONTATO PESQUISAR

Arrow: entenda como LiveWire transforma baterias em chassi na elétrica Del Mar

Arquitetura desenvolvida pelo braço elétrico da Harley-Davidson repensa convenções ciclísticas

Por |
O lote de lançamento da LiveWire Del Mar contou apenas com 100 unidades, e preço de US$ 17.699 com previsão de entrega até junho do próximo ano – Foto: Divulgação LiveWire

Há mais de um século os componentes essenciais à propulsão das motos a combustão são os mesmos: tanque, motor e câmbio. E o trio baliza o desenho estrutural dos quadros (chassis) das motos.

Mas a eletrificação muda radicalmente a configuração do sistema propulsor. Câmbio e tanque saem de cena, o motor torna-se uma unidade leve e compacta, e o conjunto de baterias a maior e mais pesada parte do sistema.

Tamanha mudança libera engenheiros e designers para repensarem convenções ciclísticas. Caso da equipe da LiveWire no desenvolvimento da arquitetura Arrow, na qual o conjunto de baterias funciona como quadro (chassi), ao qual são integrados motor, suspensões (a traseira fixa à estrutura do motor), sistema de refrigeração e eletrônicos. A arquitetura na versão S2 estreia com a recém apresentada LiveWire Del Mar.

E neste ponto cabe explicar: em suma, o termo conjunto de baterias significa, literalmente, várias centenas de células (do tipo 21700 no caso da Del Mar) abrigadas no interior de uma estrutura rígida.

Na arquitetura Arrow esta estrutura rígida além de abrigar as células funciona como espinha dorsal da moto. Sob a perspectiva ciclística, tremendo avanço considerando que na maioria das motos elétricas, além de obviamente armazenar energia, o conjunto de baterias atua como reforço estrutural adicional. Todavia, longe de pilar principal.

Conceito anterior à LiveWire

A premissa do conjunto de baterias como centro estrutural não foi inteiramente concebida pela LiveWire. A Alta Motors pesquisou o conceito. E Damon Motors o empregou integralmente na Hypersport.

Ambas menções são importantes para traçar uma espécie de árvore genealógica do conceito: parte da equipe da LiveWire veio da extinta Alta Motors. E o CTO da Damon Motors, Derek Dorresteyn, ocupava o mesmo posto na Alta Motors.

Embora lógica, a solução impõe conciliar aspectos distintos. Além de suporte para as células, as formas do conjunto devem proporcionar elevada rigidez. E adicionar a função estrutural à equação aumenta sensivelmente a engenharia envolvida no projeto.

Mais leve e barato

A redução do peso total da moto é o primeiro benefício associado à Arrow. Mas as vantagens estendem-se além do comportamento dinâmico: impactam os negócios. LiveWire afirma que a montagem da Del Mar é 44% mais rápida comparada a LiveWire One – primeiro modelo da marca. O que significa redução de custos e do preço final para os consumidores – previsto em US$ 15 mil na versão de produção da Del Mar.

Ademais, Arrow é uma arquitetura dinâmica. Isto é, o projeto pode morfar-se para incorporar características e reduzir em escala para uso em modelos menores (comparados à Del Mar). O que já está nos planos da LiveWire (na versão denominada S3) rumo à expansão global programada para começar no próximo ano. Mas isso é assunto para uma próxima matéria.

TÓPICOS RELACIONADOS

EDITOR INDICA

RECEBA NOSSAS MATÉRIAS